Práticas do Comum: conversa-balanço nesta sexta-feira (16/dez), às 19h!

Anúncios

Práticas do Comum: terceira mesa-redonda aborda questões sobre redes e coletivos


Seguem as discussões sobre fomento às artes performativas no Teatro Glauce Rocha!


Práticas do Comum segue com sua segunda mesa

PRÁTICAS DO COMUM – CONVERSAS SOBRE DANÇA, COMUNIDADE E POLÍTICA

12 de outubro de 2011  |   20 às 22h  |  Hall do Teatro Glauce Rocha

 

Encontros mensais envolvendo agentes da dança sobre práticas de aglomeração artística, comunidade e políticas (públicas ou não). Como podemos partilhar questões e inventar proposições coletivas? Propomos um local de invenção e resgate do que pode significar o COMUM – público, compartilhado, político – onde o debate seja aberto a quem se interessar.

Dia 12 de outubro – Além dos editais: outras práticas de fomento e financiamento

Convidados: Patrick Sampaio [integrante do grupo de trabalho da Operação Fomento, articulação entre coletivos pelas artes cênicas e cultura não mercantilizadas] e Thiago Maia [representante do Catarse, primeira plataforma de Crowdfunding do Brasil] Mediadora: Duda Freyre [Facilitadora do Fórum de Dança e Economia Solidária Núcleo – Angel Vianna, atualmente participa do projeto Cartografias Insurgentes e faz parte do coletivo Encontros Sutis]

Ficha Técnica

Proposição e Coordenação: Flavia Meireles
Conselho de Programação: Aline Bernardi, André Bern, Claudia Canarim, Ingrid Medeiros, Micheline Torres, Roberto Anderson e Túlio Rosa.
Colaboração: Ricky Seabra
Produção: Aline Bernardi, André Bern, Claudia Canarim e Elisa Damini
Realização: Pau pra Toda Obra Produções Artisticas
Parcerias: Faculdade e Escola Angel Vianna, Movimento Dança Carioca e Fórum Nacional de Dança


FUNARTE convida: I Encontro de Políticas para as Artes


Práticas do Comum: notas sobre o primeiro encontro

Roberto Anderson, mediador da mesa, propõe questões a serem encaminhadas:

1) poder público tem papel de suporte à dança? (via editais, subvenções, etc)

2) até que ponto a política de editais é suficiente?

3) até que ponto o Centro Coreográfico está inserido nessas políticas?

 

1a. fala, Rosa Coimbra:

política pública (decisão do Estado) vs decisão política (movimentos sociais devem contribuir, e cobrar quando for o caso);

“O edital ainda é um instrumento de acesso a recursos, financeiros inclusive”;

Até 20/out as metas do Plano Nacional de Cultura estão abertas à consulta. É importante participar e contribuir, “entender a proposta do sistema”. Devemos ter um pouco de conhecimento desse aspecto macro, das políticas apresentadas (para, por exemplo, poder dizer se tal ou qual edital está em sintonia com o PNC);

“Será que os editais em andamento hoje estão de acordo com nossas especificidades enquanto dança?”;

A “prisão” de alguns editais: módulos financeiros e demandas criativas (“o artista precisa ter liberdade para propor seus projetos”);

O excesso de burocratização: precisamos exigir a simplificação da maioria dos editais;

O acompanhamento dos projetos vencedores por parte do governo;

A escolha das comissões avaliadoras: “gostaria de entender por que não fui contemplada”, a preferência pelos artistas já estabelecidos;

A necessidade de salvaguardar direitos através de leis.

 

Roberto faz uma provocação: será que as empresas privadas não estão tomando o lugar do Estado no que diz respeito ao fomento mais estendido de grupos e companhias?

 

2a. fala, Diana de Rose:

“Edital não é política, é ferramenta”;

Ações que capacitem todos os atores envolvidos na área são mais importantes do que os editais por si mesmos;

É necessária a participação da sociedade civil para acompanhar as ações promovidas pelo poder público;

Abaixo-assinados podem ser uma maneira de comunicar demandas ao poder público;

O Centro Coreográfico não terá mais um diretor, mas sim um gestor; neste caso, a gerência de dança assumirá a função com o objetivo de aproximá-lo da administração (Prefeitura) e gerar verba própria;

“A dança do Rio de Janeiro deve se apropriar do CCo como sendo dela, a sua casa”;

Formato de residências no CCo está sendo repensado no momento;

5 milhões estão garantidos para o FADA (Fundo de Apoio à Dança) logo no primeiro semestre de 2012.

 

Roberto faz nova intervenção: os editais contemplam a demanda de integração entre dança e outras linguagens artísticas?

 

3a. fala, Sérgio Cohn:

“Os editais que interessam são os biodegradáveis”: eles tendem a se eternizar, a criar dependência deles. “O bom edital é aquele que possibilita a “libertação” de seus contemplados”;

Não há esforço efetivo por parte do poder público de mapear a produção cultural brasileira;

Pontos a serem considerados/contemplados pelos editais: 1) reflexão crítica; 2) mapeamento do que é produzido (“precisamos informar aos nossos pares, de maneira crítica, o que é produzido, entender o que é produzido”); 3) construção de público (“de que adianta apenas pensar na produção de espetáculos?” “precisamos trazer essas informações ao público!”);

A política dos editais faz com que artistas se olhem entre si como competidores, não como parceiros (o edital enquanto fator embotador do diálogo).

 

 

 


Movimento é parceiro de encontro mensal no Teatro Glauce Rocha

Práticas do Comum – conversas sobre dança, comunidade e política – consiste de encontros mensais no Teatro Glauce Rocha envolvendo agentes da dança sobre práticas de aglomeração artística, comunidade e políticas (públicas ou não).

O Movimento é parceiro deste projeto proposto por Flavia Meireles, que também conta com as colaborações da Faculdade Angel Vianna e do Fórum Nacional de Dança. No dia 28/set (quarta), a primeira conversa tem como tema “A política dos editais” e reunirá os convidados Diana de Rose (SMC-RJ), Rosa Coimbra (Representante da Dança no Conselho Nacional de Política Cultural/MinC) e Sérgio Cohn (editor da Azougue e elaborador do edital Cultura e Pensamento do MinC-RJ).

Os encontros acontecerão sempre às 20h. O Teatro Glauce Rocha fica na Avenida Rio Branco, 179. Leia mais informações abaixo.

—-

PRÁTICAS DO COMUM – CONVERSAS SOBRE DANÇA, COMUNIDADE E POLÍTICA

DIA 28 DE SETEMBRO DE 2011

20H – 22H

HALL DO TEATRO GLAUCE ROCHA

Encontros mensais envolvendo agentes da dança sobre práticas de aglomeração artística, comunidade e políticas (públicas ou não). Como podemos partilhar questões e inventar proposições coletivas? Propomos um local de invenção e resgate do que pode significar o COMUM – público, compartilhado, político – onde o debate seja aberto a quem se interessar.

 

Dia 28 de setembro – tema: POLÍTICA DOS EDITAIS

Convidados: Diana de Rose (gestora e gerente de dança da SMC/RJ), Rosa Coimbra (Representante da Dança no Conselho Nacional de Política Cultural/MinC), Sérgio Cohn (editor da Azougue e elaborador do edital Cultura e Pensamento do MINC/RJ).

Mediador: Roberto Anderson (coreógrafo e arquiteto)

Transmissão online pela TV Angel: www.escolaangelvianna.com.br


Próximos encontros: 12/out, 14/nov, 7/dez

 

Ficha Técnica

Proposição e Coordenação: Flavia Meireles

Conselho de Programação:  Aline Bernardi, André Bern, Claudia Canarim, Micheline Torres e Roberto Anderson

Colaboração: Ricky Seabra

Produção: Aline Bernardi, André Bern, Claudia Canarim e Elisa Damini

Realização: Pau pra Toda Obra Produções Artisticas

Parcerias:  Faculdade e Escola Angel Vianna, Movimento Dança Carioca e Fórum Nacional de Dança